Vírus E Colonização: Nossa Relação Com Os Mosquitos

Atualizado: 12 de fev.


Aranha-d'água, que come larva de mosquito perto da superfície.

Parece que vivemos em tempos sem precedentes e, de fato, ninguém vivo já testemunhou uma pandemia viral dessa magnitude. Esta não é, no entanto, a 1ª pandemia viral da história, razão pela qual os comentaristas políticos internacionais traçaram paralelos com outras como SARS, Ebola, Influenza etc. Porém, com base em onde moro — Niterói — o paralelo que se destaca é com infecções transmitidas por mosquitos; Dengue, Chikungunya, Febre Amarela e assim por diante.

As campanhas de saúde pública sobre a prevenção da Dengue no Brasil foram constantes ao longo da minha vida, e nunca me ocorreu ou a ninguém ao meu redor questionar sua mensagem — mosquitos transmitem a doença, e água limpa estagnada é o que eles precisam para proliferar. Portanto, todos devem fazer o possível para minimizar esses vetores de doenças, já que o mosquito nascido em sua casa não respeita limites de propriedade e se alimenta de qualquer pessoa. Isso nunca se tornou uma questão partidária, a ciência por trás disso não foi questionada e a negligência com os requisitos de saúde pública é desaprovada.

Apesar de não ter aprendido a distinguir entre larvas de mosquito e de outros animais, e de suspeitar da autoridade governamental, nunca me ocorreu questionar a ciência por trás do ciclo de vida de um mosquito transmissor de doenças. Sou uma mulher que mora sozinha, e o fiscal da Dengue é o único homem desconhecido que bate na minha porta e permito que entre na minha casa. Cada pequeno corpo de água artificial que vejo vem com um sinal de perigo, e desenvolvi memória muscular ao virar recipientes que coletam água.

Em 2008, a National Public Radio dos EUA publicou um artigo descrevendo os mosquitos como “Viet Congs da natureza”; defensores “das samambaias, borboletas, besouros e formigas da humanidade”. Na época, achei que fazia sentido. As cidades crescem, substituem a floresta, e os mosquitos são o incômodo que resta. Mas após uma reflexão mais aprofundada, especialmente no contexto do COVID, a analogia parece inepta.

Desde quando os vietcongues não fazem parte da humanidade e a humanidade não faz parte da natureza? Mais importante ainda, não já havia humanos vivendo na floresta antes dos mosquitos começarem a tentar repelir a humanidade da “natureza”? Como os povos indígenas lidavam com os mosquitos infestados de vírus?

A resposta é: não lidavam. Não havia Dengue antes da colonização.

É amplamente reconhecido que infecções virais foram usadas como armas contra civilizações nativas por colonos, o cobertor de catapora como o exemplo mais notório. O Aedes aegypti, o mosquito que transmite a Dengue, Chikungunya, Zika, Febre Amarela e outros vírus, veio como ovos na água trazida em navios da África no século 16. No século 18, houve surtos de infecções em 3 ou mais continentes ao mesmo tempo.

Bem, estamos aqui, agora, ainda lutando para manter esse vírus sob controle. A abordagem tem sido tornar nosso ambiente urbano pouco acolhedor para essas criaturas. Significando: sem excesso de plantas que lhes dão sombra e bloqueiam a brisa que os arrastam; sem matéria orgânica porque contêm açúcares vegetais dos quais os mosquitos se alimentam; sem superfícies irregulares e sujas que possam reter o líquido onde eles depositam ovos. Infelizmente, isso também leva à expulsão de qualquer outro ser vivo além dos humanos. Sem plantas também significa sem borboletas; nenhuma matéria orgânica também significa ausência de minhocas e fertilidade para as plantas; sem água também significa sem sapos e libélulas.

O paradoxo é a necessidade de mais água, plantas e matéria orgânica para atrair mais animais que são predadores naturais de mosquitos e suas larvas. A biodiversidade tem um efeito cascata positivo, onde a água atrai mosquitos, que atraem sapos que comem mosquitos. Se adicionarmos à mistura besouros, pássaros, aranhas, lagartos, caracóis, formigas, borboletas, libélulas, minhocas, aranhas d'água, etc., podemos ver que os mosquitos vêm sozinhos quando há um pneu aleatório tomando chuva na beira da estrada. De certa forma, é como o princípio de uma vacina — não evite o problema, exponha-se com segurança a ele e encontre um equilíbrio orgânico saudável para combatê-lo.

O equilíbrio não é algo simples de se alcançar, muito menos na escala de um planeta inteiro. Talvez a mudança em direção ao equilíbrio que podemos alcançar esteja no âmbito de nossas vidas pessoais e numa mudança de perspectiva. Isso já é muito trabalho, mas é onde toda grande ideia começa. Questionar a autoridade e suas instituições pouco confiáveis ​​não vem à custa do aprendizado de biologia. Na verdade, depende desse conhecimento — de que outra forma conheceremos as falácias do sistema e reuniremos as ferramentas para falar a verdade?


_________

MIRNA WABI-SABI é editora-chefe da Plataforma9P9, autora do livro Anarco-Transcriação, e comentarista política através da escrita, edição, ensino e tradução.