Uma 'quimera' se tornando realidade

Universidad de Costa Rica

Lendas, mitos e história se unem para resgatar sonhos e ilusões de antigas culturas ao redor do mundo para criar novas quimeras e persegui-las até que se tornem realidade. Isso é possível graças a uma publicação que é, por si só, um ideal de um grupo de estudantes da Universidade da Costa Rica (UCR) que foi alcançado: a revista virtual Quimera.

Segundo Ivannia Victoria Marín Fallas, diretora da revista, Quimera é um projeto cultural e educacional independente, gerado a partir da iniciativa de um grupo de estudantes da UCR, que visa difundir arte e conhecimento; não apenas virtualmente ou impresso, mas também por meio de atividades que envolvem membros da comunidade.

Os eixos da publicação são a literatura, a história, o folclore e, em geral, o patrimônio das culturas antigas e sua sobrevivência . A revista é publicada semestralmente e é virtual, embora alguns exemplares também sejam impressos. De acordo com Marín, que é filólogo clássico e atual aluno do Mestrado Acadêmico em Literatura Clássica, os lucros obtidos com a venda de cada número são direcionados a uma organização não governamental social ou de bem-estar animal diferente em cada ocasião.

“Desde a fundação deste projeto, trabalhamos constantemente, sem fins lucrativos, para incentivar e divulgar a criação literária e o conhecimento de diversas culturas por meio de nossas publicações digitais. Também organizamos atividades como o III Concurso Literário AFL de Mitologia Greco-Romana, em colaboração com a Associação de Estudantes de Filologia da UCR, entre outras”, explicou Marín.

O diretor garante que a revista já chegou a 88 países e ultrapassa 45 mil visualizações. Os artigos foram lidos em países como Rússia, Itália, China, Brasil, Nova Zelândia e Espanha, país com maior número de visualizações seguido por Costa Rica e México.

O quarto volume da revista será apresentado no próximo dia 15 de junho no Centro Cultural da Espanha na Costa Rica, a partir das 18h, e contará com a participação da equipe editorial composta por Félix Alejandro Cristiá, Victoria Marín Fallas e Masiel Coroa Santos. Da mesma forma, estarão presentes Penélope Gamboa, Xochipilli Hernández, Ulises Paniagua e Xóchitl Cuauhtémoc Xicoténcatl, que geraram conteúdo para a revista.

Para mais informações você pode visitar o site da revista virtual Chimera clicando AQUI.

O quarto volume de Quimera, nas palavras do editor Félix Cristiá:

Em virtude das letras que acompanham este volume, entramos no misterioso mundo das plantas, graças a essa tentativa de entender a Linguagem Arborescente que Josué Rodríguez Calderón invoca em seu poema, talvez com o desejo de percorrer as leis que criaram os seres humanos e alcançar a simplicidade ao mesmo tempo tão complexa a que alude Xochipilli Hernández. Ao longo deste caminho pudemos perceber as mudanças naturais como um batimento cardíaco – insinua Xóchitl Cuauhtémoc – que se torna uma memória, uma Oferenda. Há muitas maneiras de se aproximar. Não é esse o segredo guardado pelo sábio avô mencionado por Hubert Malina? Esses segredos, visíveis apenas para aqueles que usam seus sentidos acima da razão, repousam entre as árvores recitadas para nós por Alberto Arecchi e Carlos Belziti, nos Lírios de Pablo Guisado, na chuva de Masiel Corona Santos, no milho. Falamos de um ser que se metamorfoseia.

Nossos ancestrais tiveram a coragem de tentar decifrar a síntese entre o visível e o inexperiente, mas não puderam fazer mais do que observar atentamente. Através do mito, e talvez o que mais nos anima neste momento, a história, eles interpretaram e ensinaram as mudanças da natureza, como nos lembra Angélica Santa Olaya em Frutos do amor, ou Aldo Vicente Favero com sua lendária semente. Assim como aqueles mestres das letras universais, que encontraram na história a forma de abordar o mundo fantástico, Ulises Paniagua nos conta sobre as mandrágoras, e Ricardo Evangelista sobre um menino da floresta que olha com horror para o machado do homem civilizado. Da mesma forma, Eduardo Honey Escandón lembra a magia dos manguezais, veios da terra que moldaram uma estrutura que se renova, ora tão forte e teimosa como o tronco determinado de que nos fala Penélope Gamboa, ora tão frágil quanto a margarita de Maria Pérez Yglesias.

Relembrando a paixão de escrever para aprender, aprender a investigar e pesquisar para difundir, Patricia Zanatta conta um pouco sobre os segredos medicinais das plantas andinas, que por sua vez é a história de toda uma população. Através de um retorno à floresta para a qual o ensaio de Carlos Guzmán (Gani) nos convida, onde não governam as regras humanas, mas a incessante maravilha das crianças, chegamos finalmente a deixar de lado o pensamento ousado de que só podemos aprender com os especialistas e cientistas; passamos a prestar mais atenção nas folhas, nas pétalas, ou nas lagoas, como Mirna Wabi-Sabi nos apresenta, pois apesar dos incríveis avanços da ciência, o ser humano ainda não é capaz de replicar e prever todas as facetas do reino da natureza.

Esses textos (escritos em espanhol, português, Mè'phàà, Nahuatl e Bribri) juntos dão conta das diferentes manifestações de conhecimento e imaginação , transmitidas através de vários estilos e linguagens, inspiradas por sua vez por todo um mundo que, se adotarmos as crenças de os autores com os quais tratamos, poderia ser uma única, enorme, exaltada entidade que, no entanto, se manifesta de inúmeras formas para que o ser humano possa compreendê-la de várias maneiras, e assim, talvez, também possa se perceber como parte do mesmo esplêndido todo.

"Quimera procura conciliar os valores da universalidade e da diversidade através do mito, da história e da arte em geral." (Ivannia Victoria Marín Fallas, diretora da revista Chimera)

________

Universidad de Costa Rica
0 comentário

Posts recentes

Ver tudo