top of page
  • Mirna Wabi-Sabi

Comerciante de petróleo, Gunvor, se declara culpado de uma década de corrupção na Região Amazônica

Há dinheiro e tecnologia suficientes para alcançar os objetivos climáticos dos nossos sonhos com dignidade.
Por Mirna Wabi-Sabi

A Gunvor, um dos maiores comerciantes de petróleo bruto do mundo, pagará mais de 600 milhões de dólares em multas pelo suborno de funcionários do governo no Equador. Foram utilizadas empresas de fachada e intermediários para pagar esses funcionários, que por sua vez garantiram contratos de compra de petróleo. De acordo com o Grupo de Pesquisa Stand.earth, tais esquemas são responsáveis ​​por derramamentos de petróleo devastadores que destroem áreas povoadas e ecologicamente frágeis da Floresta Amazônica, e por manter países latino-americanos dependentes de combustíveis fósseis e reféns de dívidas monumentais.

Os graves derramamentos de petróleo causados ​​por rupturas em oleodutos malconservados têm efeitos mortais a longo prazo para as comunidades indígenas próximas, bem como para a fauna e a flora locais. Segundo a Public Eye, uma organização dedicada a denunciar o impacto que as empresas e instituições suíças têm “em países mais pobres”, a “taxa de câncer nessas regiões petrolíferas foi a mais alta do mundo” nos anos em que Gunvor subornou funcionários públicos.

A exploração petrolífera da região começou anos antes com a Chevron, cujos locais poluídos foram denunciados por Roger Waters enquanto fazia campanha contra Bolsonaro e a sua abordagem catastrófica ao extrativismo na Floresta Amazônica. Após a transferência das operações da Chevron para a Petroecuador, a nacionalização não proporcionou qualquer proteção à região contra novas catástrofes nas mãos da Gunvor.

O Equador, que já estava financeiramente vulnerável após a exploração implacável por empresas estrangeiras e uma tentativa falhada de fazer a Chevron pagar pelos danos que tinha causado, viu-se mais uma vez subjugado pelo capital ocidental. O que os comerciantes petrolíferos multinacionais fizeram foi utilizar a sua própria linha de crédito para emprestar dinheiro à empresa petrolífera nacionalizada do Equador, a taxas de juros predatórias, e, ainda por cima, subornar funcionários para que esses contratos fossem assinados.

Essas dívidas de bilhões de dólares com taxas de juros desfavoráveis ​​incluem a necessidade de fornecer petróleo bruto ao comerciante. Ou seja, não só a instituição equatoriana é mantida refém da própria dívida, como também fica dependente da extração de petróleo e da exploração de seus recursos naturais por anos.

Em contradição com a ideologia capitalista que justifica essas abordagens extrativistas de recursos naturais em favor do lucro e da estabilização da economia global, não houve competição entre os comerciantes. Juntos, eles “monopolizaram o mercado do petróleo bruto amazônico”. Como tal, em 2009, a Gunvor comprou um dos seus comerciantes irmãos, Castor Petroleum, cujo vice-presidente acabou sendo localizado pelo FBI e implicado no processo judicial que levou à multa de 662 milhões de dólares.

A Public Eye descreveu apropriadamente esse desastre como um “círculo vicioso que impacta negativamente as necessidades da população e do meio ambiente” em favor da ruína financeira perpétua, da aniquilação da natureza, e da subjugação dos sul-americanos às instituições ocidentais e aos seus lucros.

Essa não é a primeira vez que a Gunvor é acusada de atividade criminosa. Em 2019, ela pagou quase 100 milhões em um caso de suborno de funcionários do governo na Costa do Marfim e no Congo – um caso que a Transparency International usa como exemplo de crimes corporativos ocidentais em “países aparentemente livres de corrupção”. Em 2017, a Gunvor foi acusada de contrabandear petróleo russo através da Bielorrússia para evitar impostos. E em 2010, telegramas da Embaixada dos EUA do WikiLeaks a colocaram como uma das “fontes de riqueza não declaradas de Putin”.

Agora que houve maior repercussão, meros 662 milhões para uma empresa que lucra mais de 1 bilhão por ano, com uma receita superior a 100 bilhões, e que continuará a operar normalmente – para onde irá esse dinheiro da multa? Será investido na reparação dos danos causados ​​à Amazônia e à sua população?


Logo após o escândalo de suborno ter vindo à tona, em 2021, o CEO da Gunvor, Torbjörn Törnqvist, disse à Reuters que planeava “expandir” as suas operações para a Rússia. Isso foi pouco antes da invasão da Ucrânia, mas não deve ter sido uma surpresa, uma vez que Törnqvist já tinha comprado a parte da empresa do seu parceiro russo em 2014 para evitar sanções devido à anexação da Crimeia pela Rússia. Hoje, ele afirma estar numa “jornada de sustentabilidade”, a partir de 2023 rastreando as “emissões da cadeia de abastecimento” da Gunvor com a ajuda de uma empresa terceirizada dedicada a alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU para bancos e comerciantes multinacionais.

Não é de surpreender que em nenhum lugar dessa jornada de sustentabilidade haja reparação de qualquer dano real causado à Floresta Amazônica e aos seus povos. Existe apenas uma declaração corporativa sobre a coleção vaga de dados sobre as emissões de CO2, admitindo que ainda não se recolhem dados sobre emissões de metano ou qualquer outro gás de efeito estufa. Empresas que continuam a expandir mesmo depois de denunciadas como criminosas, como a Gunvor, alcançam a impunidade ao se estabelecerem como indispensáveis. No entanto, eles são dispensáveis. Há dinheiro e tecnologia suficientes para alcançar os objetivos climáticos dos nossos sonhos com dignidade.

O Grupo Gunvor agora anuncia que, pela primeira vez, está investindo na geração de energia como uma alternativa à dependência dos combustíveis fósseis que eles endossaram criminalmente e da qual lucraram durante décadas. Essa é uma decisão orientada para o lucro, liderada por mudanças inevitáveis ​​no mercado, mudanças que eles passaram décadas tentando impedir ou atrasar a todo o custo. Essa “jornada” é melhor do que nada? Quais garantias existem de que essas declarações corporativas não sejam apenas mais um esquema que prolongará a vida de um empreendimento destrutivo e ilegítimo?

_____

Mirna Wabi-Sabi é editora chefe da Plataforma9.

留言


bottom of page