top of page
  • Mirna Wabi-Sabi

Cedemos poder aos Autoritários quando tememos a Autoria

Atualizado: 28 de abr.

“É privilégio dos Deuses não querer nada, e dos homens endeusados quererem pouco” (Diógenes)

Anarco-transcriação, meu primeiro livro, é sobre como criar quando você não é ou não deseja ser um Deus, ou um homem endeusado. As fontes nele contidas vêm do contexto de publicação de um projeto de tradução, que é minha área profissional, mas os princípios podem ser aplicados a qualquer projeto que você precise (ou queira) realizar com mais pessoas do que apenas você mesma.

Nenhum ser humano é invencível – muita coisa está fora do nosso controle e não há escudo contra a repreensão. Mas na busca pela invencibilidade, uma de duas ferramentas é geralmente empregada – controle forçado/coercitivo de outros, ou auto-isenção de responsabilidade e iniciativa.

A primeira, sobre exercer controle, com a qual estamos bem familiarizados no discurso político global, orbita percepções de Autoridade, Autoritarismo e Hierarquia. A tentativa de se tornar invencível através do uso da força é a base para a criação de Estados-nação e das suas forças armadas.

A segunda me interessa mais porque é pouco reconhecida. É quando nos esquivamos de responsabilidade, delegando responsabilidades a outras pessoas. O medo do fracasso ou do escrutínio não só é um obstáculo maior à autogestão do que 'as Autoridades', mas é também o método através do qual entregamos Poder às forças autoritárias. Dessa forma, nenhuma das nossas criações é vencível, porque nenhuma dessas criações são realmente nossas.

O medo da autogestão é o que leva alguns de nós a pensar que votar em representantes é a forma mais importante de atuação política, com queixas ocasionais quando, inevitável e repetidamente, os testemunhamos sendo incompetentes. Vemos os políticos falharem, isso nos frustra, no entanto, nos sentimos seguros por não ter que assumir, por conta própria, certas responsabilidades, e arriscar falhar também.

Na minha experiência como editora, tem sido fácil identificar quando uma escritora tem medo de fazer sua própria declaração, se escondendo atrás de citações após citações de outros escritores, nem mesmo assumindo autoria sobre sua curadoria. Essa é a diferença entre dizer “Esta é a declaração da minha tese, e estas são as fontes que utilizo para sustentar esta afirmação”, versus, “Esta tese é sobre o que estes pensadores afirmaram”.

Quando se trata de gestão (de uma comunidade, organização ou projeto grande), executar por conta própria (autogestão) significa assumir responsabilidades e tomar decisões com outros, em vez de delegar a responsabilidade de uma decisão a uma figura de autoridade. Isso não significa nos transformar em uma Autoridade, mas assumir a responsabilidade por certas decisões e ações em projetos específicos. Eu chamo isso de Autoria.

Nas estruturas sociais aspirantes ao Anarquismo, há uma aversão ideológica à Autoridade, mas isso não significa que a dinâmica hierárquica não se forme insidiosamente. Pessoas que desejam o poder e pessoas que o temem talvez se unam facilmente, mas o conflito também pode surgir aqui. Isso acontece porque as pessoas que temem a autogestão não têm necessariamente medo de criticar aqueles que governam ativamente. Existem lutas pelo poder entre pessoas que querem governar todos, e ciclos intermináveis ​​onde nada acontece entre aqueles que temem assumir responsabilidades. Todas as configurações estão sujeitas a confusão.

A autoria é uma prática anarquista, porque exige e é um exercício de autogestão.

Quando escrevi: “se você precisar de ajuda com seu projeto, ele não é mais só seu” estava pensando na autoria literal de um livro, ao mesmo tempo que colaboramos com designers, gráficas e todas as outras facetas de uma publicação. No capitalismo, precisar de ajuda para um projeto não significa compartilhar a autoria pelo simples fato de que o dinheiro pode comprar os frutos do trabalho; como tal, tudo o que eu compro, torna-se meu. O homem acumulando riqueza é o homem se tornando semelhante a um Deus e querendo pouco.

Ainda não se sabe onde o sistema capitalista funciona. No contexto das publicações anarquistas impressas, a negociação da autoria é uma prática contínua inevitavelmente atravessada pela questão do dinheiro. Normalmente, quem tem o dinheiro é quem tem a Autoridade. Mas existem inúmeras oportunidades para encorajar o exercício da autogestão em grandes projetos com orçamentos limitados. Como eu disse antes no livro, não há garantias. Não existe um caminho estabelecido por um ancião anarquista a quem delegamos a responsabilidade de decidir o que precisa ser feito, a quem delegamos a responsabilidade de definir o que é a coisa “correta” a fazer. O exercício da autogestão exige coragem individual, talvez hercúlea.

A coragem necessária para se 'autogovernar' não tem a ver com a adoção da revolução armada ou de qualquer outro método de força. Acredito que se os grupos revolucionários tivessem o apoio total da população, as instituições autoritárias que devem ser minadas poderiam simplesmente ser feitas obsoletas. E que se não tiverem o apoio total da população e optarem por assumir o poder à força, é apenas uma questão de tempo até que esses grupos também sejam sujeitos a resistência de movimentos revolucionários.

Uma revolução da narrativa, para mim, é uma forma de alcançar um consentimento mútuo duradouro entre uma população, e isso exige que a população seja politicamente alfabetizada em autogestão. Alguns dizem que isso é inalcançável, mas considerando a quantidade escandalosa de riqueza, recursos e tecnologias que as potências ocidentais acumularam ao longo do último século, me parece que essa impossibilidade reside mais na falta de disposição do que na falta de opções.

Se, neste ponto do texto, você continua esperando que eu te diga quais são essas opções e como as praticar, o conceito de autogestão ainda não está claro para você.

Uma das críticas mais comuns ao Anarquismo como ideologia é que ele não define claramente como será uma sociedade anarquista – quais instituições farão o que, e serão dirigidas por quem, como... Alguns anarquistas se envolveram nisso, o que apenas frustra ainda mais as pessoas que desejam orientações claras. Isso se deve a uma razão simples: a autogestão não pode depender da intervenção de uma autoridade externa. Em outras palavras, se você precisa ser dito o que escrever, você não tem a autoria.

Aqui, não estamos discutindo a criatividade. Muitas pessoas criativas têm dificuldade em criar projetos ou em abster-se de delegar responsabilidades a figuras de autoridade. Estamos falando de um estado de espírito em que escolhemos buscar possibilidades. Normalmente, isso acontece quando se testemunham eventos revoltantes liderados por forças autoritárias; assim, somos motivados a pensar em alternativas, estratégias de resistência. Idealmente, o horror e o desastre não deveriam ser uma necessidade nesse processo, mas a situação é ainda mais terrível. A tragédia constante não tem sido um motivador suficiente. Então, o que será suficiente?

______

Mirna Wabi Sabi é escritora brasileira, editora do site Gods and Radicals e fundadora da Plataforma9. É autora do livro Anarco-transcriação e produtora de diversos outros títulos da editora P9.

Comments


bottom of page